segunda-feira, março 12, 2007

Mancha Negra na RUC

Esta noite, no programa "Prognósticos" da Rádio Universidade de Coimbra, pudemos ouvir como grupo entrevistado a Mancha Negra, representada por 4 sócios da claque, entre eles o Presidente e membros da direcção. Ficou bem vincado nesta entrevista que a Mancha Negra não tem opinião oficial sobre a matéria das eleições, tendo cada elemento a liberdade para apoiar quem bem lhe apetecer, sem pressões no interior da claque, ao contrário do que alguns auto-proclamados académicos apregoam. A circular presentemente está um abaixo-assinado para convocar uma Assembleia Geral para se decidir o que fazer em relação a este tópico.

Ficou esclarecido também que no último jogo os adeptos e o jogador Nestor Alvarez não chegaram a agredir-se fisicamente, apesar dos protestos dos sócios da Académica. Para os que não sabiam, e que caracterizam a Mancha com adjectivos como vandalismo, violência ou até como "gente que não gosta de bola", ficaram a saber que a claque é composta única e exclusivamente por sócios da Associação Académica de Coimbra que merecem tanto ou mais respeito do que os outros, pois Domingo após Domingo vão para casa roucos de tanto apoiar. Uma medida tomada pela actual Direcção (Sócio MN=Sócio AAC), correctíssima na minha opinião, e que apesar de levar à diminuição do número de sócios pagantes para cerca de 500, criou um sector mais unido em torno da Briosa, depois de um crescimento muito grande num curto espaço de tempo, criando uma base sustentada com pessoas que realmente amam a Briosa. Penso que agora só falta ir passando a mensagem e o espírito a seguir, o de 85, aos mais novos.

Bastante tempo foi ocupado com o jantar de aniversário da MN, nada a acrescentar ao que escrevi dois posts atrás, a não ser o facto de os jogadores não terem sido avisados por quem de direito sobre o jantar, e quando foram notificados mais tarde demonstraram pouco interesse em ir. Ficaram registadas as opiniões pessoais dos entrevistados em relação a jogadores, técnicos e dirigentes e estabeleceram-se metas para a claque: Num futuro próximo a Mancha pretende vender bilhetes mais baratos, ou se possível arranjar algumas "borlas" como aparecem habitualmente no fim do campeonato, para apoiar da melhor forma e com o maior número de adeptos possível, para fazer da Briosa um maior Clube do que já é!

Uma questão pertinente posta pelo Presidente Tiago Carraça: Se a Mancha que tem 500 sócios consegue levar no mínimo uns 70 ou 80 a todo o lado, porque é que o resto dos sócios que são dezenas de milhar, não conseguem organizar uma viagem a quase nenhum jogo fora?

4 comentários:

Anónimo disse...

porque o resto dos socios preferem ficar em casa a ver sporttv... é mais fácil

Anónimo disse...

preferem ficar em casa a coçar a micose!!!
AMO A BrIOSA!

Anónimo disse...

Porque os outros sócios só servem para criticar (no intímo) e não para apoiar/ajudar ou criticar publicamente quando é necessário, como foi o caso do último jogo.
O estereótipo do sócio da académica caracteriza-se pela:
passividade, vaidade, critica mordaz mas só no sofá e no café...

Afinal vê-se quem são os verdadeiros academistas.

All Black

filipe disse...

temos de marcar presença fortee na assembleia pra mostrar a nossa forca dentro da academica

coragem carraça, não é fácil dirigir uma claque, ainda por cima uma claque com a dimensap da MN